quinta-feira, 29 de setembro de 2016

K

fim


Chego ao fim.

Os meus mastros gemem
na proporção 
do enfunar das velas.
A quilha escorregadia,
habitação de infinitas cracas,
e afins,
anseia pelas mãos dos homens.

Conheci tantas águas,
adormeci sob tantas estrelas 
e todo o meu caminho 
foi apenas o regresso 
ao porto de partida.

Sei que os mares

são muito mais do que 7,
e que os oceanos 
muito mais do que 5,
pois tantas vezes 
as vagas eram mais altas
do que a gávea,
paredes escuras, 
pétreas, rijas,
águas-vivas infinitas.

Terei visto tudo.
Já sirvo há muito:
gerações de marinheiros
aprenderam comigo
o ofício;
lutei o bom combate,
guardei a fé,
nada mais espero.

Etiquetas: ,

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

K

cor

Resultado de imagem para purple spreading
A cor púrpura desliza,
na fronteira,
na mistura baça
da madrugada
que antecede a lâmina.
Espera-se a alva,
o silvar,
o zunido cego,
já.
A luz espraia-se,
há um humor pétreo,
uma quase-cascata
que impera
precipitando-se
sobre os velhos arrozais,
migalhas de um Oriente
ao dobrar da esquina.
É a cor púrpura,
que a tudo remete,
que a tudo destina,
é a cor púrpura 
que aponta 
para lá do Ser,
para lá da Visão
e do Conhecimento.
Virtude primitiva
de um caminho
a que se chama hoje
consciência,
saber até.

Haverá
uma cor 
púrpura bastante,
que envolva
que cubra
que [nos] tape, até?

Regra de busca,
de regresso,
redenção última,
alento fugaz.

(fonte da imagem:
http://www.northlandsnewscenter.com/news/local/WI-Residents-Asked-To-Control-Spread-Of-Invasive-Plant-126713163.html)

Etiquetas: , ,

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

K













K

Nau


Esticam-se
e buscam a brisa,
bailando.
Está na sua natureza 
a inquietação,
o quase fervor
das águas vivas.


(Foto do autor 
Obtida com telemóvel)
Enquanto as madeiras
gemem,
os metais tinem 
e os homens sonham,
cumpre-se o desejo
infinito
das águas límpidas,
refeição de luas
de outrora.

Etiquetas: ,

domingo, 14 de agosto de 2016

K

teimosia


Na chuva que, 
teimosa,
me persegue,
embarcarei
qual piloto
improvável.

Etiquetas: ,

terça-feira, 2 de agosto de 2016

K

noite


Já esqueci se a noite                                                       
ainda tem esquinas.                                                         
Se os meus olhos                                                             
se derramam pela calçada                                               
rebrilhante,                                                                       
é porque as travessas                                                      
ainda se intersectam                                                        
na nudez da lua esquecida.                                             
Há muito que os meus passos                                        
ecoam por onde onde os meus olhos                              
se derramam;                                                                     
há muito que sonho                                                          
com desencontros,                                                           
invulgares sorrisos                                                            
trocados entre quem                                                         
repousa,                                                                            
sobressaltado                                                                     
quando os outros,                                                             
sonâmbulos,                                                                     
se vestem                                                                         
e rumam para o trabalho.                                                 

Nós, nós, não nos vendemos                                           
por dinheiro.                                                                      
Esconjuramos o tempo:                                                    
                            compramos mais dias, meses, anos,                                                                               para que os sonâmbulos do dia,                                                       
tenham margem                     
para trocar a áspera claridade                                       
pelo doce, carinhoso manto                                           
da negritude.                                              
(fonte da imagem:
Sintra numa noite de Agosto,
obtidas com telemóvel)

(poema dito na Rádio Sim, cortesia de Margarida Fonseca Santos: http
://radiosim.sapo.pt/Detalhe.aspx?fid=1374&did=42396&FolderID=1271)

Etiquetas: ,

"[...] Apesar de tudo o que se passa à nossa volta, sou optimista até ao fim. Não digo como Kant que o Bem sairá vitorioso no outro mundo. O Bem é uma vitória que se alcança todos os dias. Até pode ser que o Mal seja mais fraco do que imaginamos. À nossa frente está uma prova indelével: se a vitória não estivesse sempre do lado do Bem, como é que hordas de massas humanas teriam enfrentado monstros e insectos, desastres naturais, medo e egoísmo, para crescerem e se multiplicarem? Não teriam sido capazes de formar nações, de se excederem em criatividade e invenção, de conquistar o espaço e de declarar os direitos humanos. A verdade é que o Mal é muito mais barulhento e tumultuoso, e que o homem se lembra mais da dor do que do prazer."

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue! Sopro Divino

eXTReMe Tracker
Article of the Day
Article of the Day provided by TheFreeDictionary

This Day in History
This Day in History provided by TheFreeDictionary

Today's Birthday
Today's Birthday provided by TheFreeDictionary

Quote of the Day
Quote of the Day provided by The Free Library

Hangman
Hangman provided by TheFreeDictionary