quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

tu Antuérpia









Esqueci o p/b
do que sinto
na luz afável,
do entardecer
na minha
desconhecida
Antuérpia.
O brilho das
águas-régias
desfaz,
suavemente,
toda a paisagem,
mesmo sendo
Primavera.
Adormeço
a p/b e
não o lamento:
nada há
de mais belo
do que o cintilar
líquido, roçando
os sonhos suaves
nesta tua
Antuérpia natal.


(fonte da imagem:
https://praguecore.wordpress.com/2012/10/28/fall-break-part-2-canals-trains-and-more-fries-in-bruges-and-antwerp/)