sábado, 3 de março de 2012

queda XX

A vida não me basta,
já não me chega,
os meus pulsos emergem da sombra,
os líquenes cobrem o meu ontem,
o hoje rasteja submisso.
Não me chega a vida:
os meus passos ressoam
na calçadas escurecidas pela luz;
há uma réstea, um quase farrapo,
de compassos marcados por dois violinos,
ripas enegrecidas num ré maior.
Não me basta a vida:
já vejo a claridade,
a aurora cintilante

como um véu de clara espuma
em carícias dançadas,
bafejando um vago Ocidente.

(foto do autor
obtida com telemóvel:
"Ocaso em S. Martinho do Porto,
2010")

Sem comentários: