quinta-feira, 17 de novembro de 2011

rude

Vejo que esqueceste o tempo,
a rude espada que te tolheu,
o abraço que nunca deste.
Vejo que esqueceste as nuvens,
as esperanças furtivas,
que te trouxeram de bandeja.
Vejo que esqueceste as mãos,
aquelas que o sopro aqueceu,
entre tormentos excessivos.


Sim, vejo o esquecimento,
as luas esquivas,
a guarda que baixaste,
o teu sorriso demente;
há pregas e rugas na tua fala,
e até as palavras esbarram
no teu esgar longínquo;
sinto o tremor do que pensas,
o frio que te agita,
os sonhos em que recusas
empinar-te.
Os apuros dos teus caminhos,
as razias de uma memória
que obliteras a cada passo,
trazem-te de volta à praia:
Omaha Beach...


talvez:
Checkpoint Charlie...

1 comentário:

Vieira Calado disse...

O tempo leva-nos e traz-nos
de volta!

Um abraço