quarta-feira, 30 de novembro de 2011

tempo de

Agora é o tempo
do chumbo na fronte,
do resvalo intuitivo,
do esvoaçar das misérias.
Hoje,
a vida entrelaça-se
nas guelras de um peixe,
luzidio e anónimo.
Hoje, celebro 6 anos
e volto à escola,
mesmo sabendo
que as misérias
sopram ao meu redor.
Hoje,
guardo os papéis
que me deu uma jovem
à entrada do metro,
talvez restos
de sábias ordens puídas, sei lá.


Agora é o tempo
do alisar da manhã,
da relva gulosa pela chuva,
das 7 partidas do mundo.

 (foto do autor, obtida com telemóvel:
exposição no Pavilhão do Conhecimento
Ciência Viva, Lisboa)

Sem comentários: