sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

queda XVIII

É de bronze o semblante,
é de pedra a certeza,
o manto de ontem que faísca.
Reflectes as paredes, 
os muros que sonhaste;
as tuas mãos, 
as veias que se canalizam azuis 
- mar de espumas triunfantes -
regressam às águas mornas 
do Mesozóico,
às tremuras dos "belli".
Talvez hoje,
cavalgando as crinas do Tempo,
sejas a geração última,
o derradeiro soçobrar
de uma sombra escusa.



Sem comentários: