quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

queda XIV

Um trono,
duas coroas,
uma capital.
Guardaste o furor,
tornaste fiel a evasão,
a Europa esqueceu-te,
sobrou Castela.

Um trono,
duas coroas,
uma capital.
Teu confessor
abençoou-te a partida,
na praia, uniste razões,
numa certeza obsessiva,
galopante.

Um trono,
duas coroas,
uma capital.
Fugiu-te a corte,
guardou-te a derrota;
Lisboa, órfã,
um povo sonhando,
em degredo a querer-te 
onde nunca estarias.

Castela deu o passo,
no caminho que lhe deste;
Camões morreu contigo,
levando em si
a Pátria de Pessoa!

(fonte da imagem:
Paula Rego: "Alcácer-Quibir")

1 comentário:

Sofá Amarelo disse...

Fiquei preso na fonte da imagem oriunda do site do meu antigo colega do Expresso, Alexandre Pomar, filho de, claro, Júlio Pomar, profissional competentíssimo e detentor de um grande humanismo.

Um abraço!