quinta-feira, 21 de julho de 2011

CONTRALUZ

Vejo-te por entre as sombras do ocaso:
hoje, as brumas deixam sonhar-te;
ao longo da arriba, 
vão-se enrolando as águas e a terra
e o teu pescoço cinzelando as marés;
é neste bocado do dia em que me estendo,
(as mãos sob o queixo)
na espera daquele ápice
em que o céu, o oceano e tu
se fundem 
numa lágrima triunfante,
num suspiro ostentoso,
num compasso magnifico,
Zaratustra 
e Strauss 
e Nietzsche
empoleirados
na mesma clave,
na mesma calote.
 Em contraluz,
em silêncio:
o justo salário
de quem espera
num sorriso 
(mal contido)
as lantejoulas
e outros brilhantes...

(falsos)


(imagem retirada de:
http://marciavilarinhoebook.blogspot.com/)

Sem comentários: