quinta-feira, 17 de setembro de 2009

o beijo

Beijou-me cálida,
a Morte;
ensaiou seus passos
(doble),
entre sussurros de vento
e brisas acres
enfeitou meus lábios;
gemi a vida
que me susteve
entre dois pontos,
em arco de círcunferência,
numa abissal dissensão;
em jeito de mim
apontei-me algures
entre o Médio Império
e o Palácio do Filho do Sol;
almirantei-me na fuga desoladora,
plácida entre dois pilares;
não cheguei a chegar:
osculado estava,
meus caminhos
já estavam possuídos...
(imagem retirada de http://www.abcgallery.com/: "O beijo" de Picasso)

3 comentários:

Graça Pires disse...

Do tempo da vida e da morte...
Gostei do poema, amigo Jaime.

Silvana Bronze disse...

De estranho compasso...parece que as silabas se encaixam conforme avançam os versos.
Quanto a mensagem, me pareceu o começo arrebatador de uma paixão: cada simbolo no seu lugar "osculado estava".

Paula Raposo disse...

Um ritmo mesmo assim, calmo. Beijos.