terça-feira, 18 de setembro de 2007

Apalavra

Agora quero criar a Palavra,
entre funis de alento,
no fundo da jornada,
nas roseiras vermelhas
em sangue dos outros,
entre rugidos de esperança.

Quero a Palavra,
e dela ser digno;
fugir,
ser o nada por ela,
e nela me embalar,
entre espuma,
entre algas de alegria,
no meio dos outros,
nada sabendo de mim...

Sem comentários: