sábado, 30 de junho de 2007

Deserto

Caladas as palavras,
sentado em mim,
cobre-me a solidão...

Calada a luz,
em alva negritude,
espalha-se
qual balde de sangue,
em cerimónia
pagã.

Arfando
vem o deserto;
em mim, nesgas
(farrapos)
acolhem-no,
como as palavras
(caladas)...


(inspirado num poema de Moriana)

Sem comentários: