terça-feira, 30 de outubro de 2012

Céu

Lembra-te que um crepúsculo,
que uma ausência de luz,
é, também, um caminho,
num castelhano tosco:
"más grande, más sencillo",
sim, mais simples,
em que, em fundo,
se encontrará o escuro,
oriundo da luz.
Não faz mal:
quantos caminhantes,
no ensejo maior da caminhada,
viram nuvens escuras 
presas em farripas esparsas
de uma luz vencida?
Abre os olhos,
vê,
teme o temor, 
apenas.
De resto, 
enfuna-te,
e deixa que mesmo
"más grande"
o caminho não te abandonará,
não te descalçarás 
sucumbindo às dores
do desnorte, 
ao pesar da palavra 
oca.
("Restringirás a tua retirada
e os teus homens hão-de
saber-te senhor
e mestre da manobra 
militar."  
Fala de Eurípedes
a Xenofonte, na sua retirada)

(fotos do autor:
"Céu em S. Martinho do Porto")

1 comentário:

Rafeiro Perfumado disse...

Não temo o crepúsculo, anseio por ele, pois é da forma que se pode dar pontapés nos imbecis sem que eles nos vejam! Abraço!