segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Cedro

Já esquadrinhaste
os fios tensos
que fazem ser a tua memória?
Que ramos escalaste
para fazeres de uma árvore
madura
a vida que descuidaste?
Na tua rapidez,
os teus cruzaram-se
contigo
em sentido oposto,
e tu, na tua gana,
apontaste o nariz em frente,
furando arbustos e contos.

Hoje, rendes louvor
ao velho, ao sábio cedro;
as tuas mãos engelhadas
abrem-se ao tempo,
à miragem de outros verdes;
os teus olhos rendem-se
aos bailados dos fios tensos,
à luz ridente,
ao afecto
das raízes mergulhadas
nas colinas do Líbano.

(fonte da imagem:
http://www.aliancaaeroporto.com.br/cgi-bin/dados.cgi?TP=SCPAL&AQ=130)

1 comentário:

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

"Que ramos escalaste
para fazeres de uma árvore
madura
a vida que descuidaste?
Na tua rapidez,
os teus cruzaram-se
contigo
em sentido oposto,"

isto é divino, belo, excelso e retenho assim, pela citação que tanto me toca... Obrigado