quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

queda XV













Hoje encostei-me ao meu passado,
àquilo que me enformou, formatou.
Baixei os olhos e nada vi:
os meus tempos,
sorrisos abraçados a brisas,
filmes sem realização,
nada: apenas o vácuo
entre os dois hemisférios.
Os trejeitos que a vida foi dando,
as quadrilhas, os tangos,
as mornas, os swings,
foram deixando gotejar,
sem pressas, secamente,
os pedaços desconexos, cegos,
desta marcha tonal, afónica,
a que chamas, com aparato,
(ostentação, até)
existência, estrada de redenção,
meu caro semelhante,
meu querido irmão...

(fonte da imagem:
http://blogvigiacomigo.blogspot.com/)

Sem comentários: