terça-feira, 16 de março de 2010

cor.pt

Quando a tua história
se prostrar nos meus joelhos,
quando o teu sorriso
se pendurar no meu pescoço,
quando as tuas fábulas,
se derem a mim por inteiras,
então poderás dizer:
"sabes-me de cor,
na cor dos meus sentidos"
(fonte da imagem:
yadayada.hex.com.br/)

3 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Gostei, o teu poema é interessante.
Do título à última linha.
Boa semana, abraço.

maré disse...

quando o tempo não fôr uma flor de primavera breve poderás dizer: como é profundamente azul, a cor do mar...!

_______

um beijo Jaime

beijo

Graça Pires disse...

Saber de cor a cor de todos os sentidos é como saber de cor a cor do vento. Então dirás: vem comigo.
Um beijo, Amigo.