sábado, 23 de janeiro de 2010

noite

Se a luz se fechasse
na policromia do excesso;
se o silêncio errasse
pelo alvorecer do começo;
se a noite se agigantasse
nos pauis em que enlouqueço,
então minhas mãos
vagueariam no nascer
de um pássaro a sul,
regurgitado
pelo encantamento
de meus lábios
[{segmentados}]
(inspirado num poema de marés
publicado no seu blogue
marés de espanto)










(imagem retirada da net,
"A onda" de Hokusai)

3 comentários:

Paula Raposo disse...

Belo e inspirado poema!! Beijos.

Nilson Barcelli disse...

Estás a escrever cada vez melhor.
Parabéns.
Bom fim de semana.
Abraço.

maré disse...

a condição de ser pássaro

quando o céu

é um abismo:
a ditadura destes lábios de silêncio.


______

obrigado Jaime. se as minhas se multiplicam nas suas.
a ternura de um beijo