segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

La solitude? Ça n'existe pas!!

Quem não amei, os filhos que não gerei,
as bicas tomadas obstinadamente a sós,
o rosnar uma resposta a quem me interpelava,
o desencorajar de qualquer relação.
Minha garganta seca de nada dizer; saberia eu ainda falar o que pensava?
Não importava. Nada, mesmo.
O esconço quarto alugado em que passava as férias, mirando um Tejo trazendo e levando partidas e chegadas que eu nunca faria. Era um rio curioso, quase metálico, que me ofuscava e atraía. Saía então, só com um fito: aquele plúmbeo glaciar de afectos, meu igual, meu irmão.
Para mim, Lisboa era o mês de Novembro:
frio, preparando o chuvoso Inverno;
o gozo que me dava ouvi-los a vilipendiar o mau tempo.
Eu gostava daqueles dias: cada vez mais curtos em que cada vez mais cedo as ruas se iam esvaziando. E eu cada vez mais só, envolto na gabardina, águia avançando
pelas bátegas duma água doce
que me abençoava a garganta.
Ah! Doce solidão
que sempre me acolhias em teus braços pétreos!
O teu silêncio eram a magia,
o prazer,
que me aguardavam no fim de cada dia.



(...)


Abri cuidadosamente a caixa de sapatos;
espreitei docemente tudo o que havia feito:
tudo, tudo mesmo
caberia numa caixinha de sapatinhos de bebé.


(inspirado num texto de moriana)
(imagem retirada da net)

2 comentários:

Blindness disse...

lindo,
um aperto do coração...
uma alma que se afoga no nada...
o chão que nos abandona...
flutuamos no vazio...
solidão? talvez, uma solidão escolhida... anseio por quem já não volta...
e a marca? não será uma caixa de sapatos de bebé grande demais?

Jaime A. disse...

A solidão escolhida,a alma afogada em coisa nenhuma, sim. Ninguém voltará, isso é certo.
Mas haverá caixa mais pequena que uma de sapatinhos de bebé?