segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Subi ao sótão do desvelo.
O chão fora afagado nas minhas mãos nuas.
Das janelas saíam restos de lava,
fria, mordente.
A manhã não elevava o rosto,
surpreso no sufoco.
Pisei as tábuas:
caldo morno.
Desci,
pisei o ar,
o pó.
A parede estancou-me,
exangue.
Não,
não pude ter falhado...


(inspirado num poema de Gil T. Sousa, publicado em moriana2)

1 comentário:

pedronunesnomundo disse...

Você foi galardoado(a).

http://pedronunesnomundo.wordpress.com/2008/10/27/gala-pedro_nunes_no_mundo/