quinta-feira, 18 de outubro de 2007

ir e voltar...

...
e areia
e seixos
e abraços...
vieram nas ondas
em rendas de esperança.
Abracei o mar,
e, com ele, tudo!
Fundo-me
entre algas,
maduras,
prenhas de aventuras
que não conto...
O mar trouxe o que mais queria,
e num horizonte claro,
lavado,
as mãos juntas
em oração de escuta,
e há cores que esvoaçam
em cânticos longínquos.

(a partir de um poema de blindness)

2 comentários:

Blindness disse...

Poema... uns pensamentos soltos, adoro como pegas em palavras vazias e as transformas no mais belo dos pensamentos...

Jaime A. disse...

E eu adoro o modo como comentas os meus "escritos". Bem-hajas, blindness.