quarta-feira, 10 de outubro de 2007

...em suave queda...

...um tempo marcado,
uma música
em suspiros
que decaem
suaves.
Nesses tempos, a harpa sorria
em tons de azul,
em si maior,
quase rejubilava.
Então,chegou o outro tempo
(o das fábulas obscuras...)
em que nem a cítara
ou a harpa
já sorriam;
o desfeito horizonte,
já nem marcava
a síncope,
e as marés
já nem escorregavam
noite fora;
as águas eram
(agora)
taciturnas,
e o sortilégio era já
o da memória
(tão em deslize,tão inclinada!)
enquanto todas as mãos
se dirigiam
a uma espiral de vento...

Sem comentários: