quinta-feira, 18 de outubro de 2007

Declínio

fecham-se os lábios;
há rimas que escorrem,
em ruídos infames;
trepam lentas,
pelos penedos da memória
e regressam espumando a denúncia,
entre trinados de mentira,
de salvas
pardas de silêncios
de mentira,
deslizando pelo ardor de uma verdade,
pura,
que já ninguém sabe,
que já ninguém quer.
(a partir de um pensamento de musalia)

3 comentários:

musalia disse...

:)
(lê os excertos que transcrevi lá no cantinho)

Blindness disse...

lindo...

Jaime A. disse...

Bem-hajas, blindness. És também muito apreciada cá por estes lados... ;)