quarta-feira, 25 de março de 2015

Voo


O Poeta
voou para a Poesia,
soltou-se,
desatou os nós
e abriu as asas.
As Palavras,
enternecidas,
acolheram-no.

Já voas, Poeta,
e o teu Caminho
é finalmente
a tua Obra
Imaculada.

Vá!
Veleja!
Voa!
Vinga o Verbo,
Varonil, 
Vibrante Veia!


(Fonte da imagem:

1 comentário:

Graça Pires disse...

O fascínio de ter asas! Belo, muito belo, Poeta.
Um beijo.