quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

avanços vs. recuos

Já esqueci o aborrecimento 
Na tarde em que fitaste com o teu olhar moroso 
Que me balançava como cavalo de pau. Nunca tive tempo para te dizer 
O quanto silenciaste a mágoa de ficar mirando o horizonte, as fragas, os céus de Verão
Os regatos, 
Os meus olhos;
O tédio que me invadia, afago gélido 
Como uma nuvem alta...
Em riacho...
Sonhei que eras uma sombra benvinda, um astro suplicante na voracidade dos lençóis, noite fora;
Os teu (a)braços folheavam-me os sentidos, dardejavam-me as têmporas; 
As mãos suadas, quase lilases, esfregavam-se em silêncio;
As palavras avançando temerárias,
Recuando tanto...

Hoje um grito soluçou-me a garganta:


"LIBERTAD O MUERTE!"


Outro ainda:


"HASTA LA VICTORIA! SIEMPRE"


E assim fiquei...


(foto: Caramulo muito antes do Holocausto
de Agosto-Setembro/2013;
foto do autor obtida com telemóvel)

Sem comentários: