sexta-feira, 8 de novembro de 2013

pinho

verde,
verde
verde 
que te quero verde;
um trilho,
marcado pelas rodas,
directo ao longe,
às asas das nuvens;
caminhas à rés
dos campos,
das flores,
dos pinhais,
o Sol brincando
entre os ramos,
os teus passos marcando
a espera;
há galhos que pisas
e guardam na memória
os tempos de Natal:
a fogueira, 
a Árvore,
os restos da mesa;


o verde,
o verde,
a flor do verde pinho...
(fonte da imagem:
http://maratonabttmangualde.blogspot.pt/2013/08/imagens-do-percurso.html)

2 comentários:

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

É, talvez, a primeira coisa que leio sobre o Natal este ano. E ficaram duendes e sinos de pai natal e musgo e magia no caminho que aqui traz...

Muito bom, como é apanágio por aqui...

UM abraço grande

Pérola disse...

E o Natal sempre renovado.

Por onde se pode seguir?