sábado, 31 de agosto de 2013

K

rampa

Afasto-me,
os meus braços
nem procuram os teus.
Não é zanga,
qualquer reacção,
não é sequer dor,
aquela dor que dói
nas lembranças emergentes.
É uma parede,
uma armaria
cheia de pistolas
nunca usadas,
brilhantes 
no seu desalento,
é a vida,
e tantas essas coisas 
que nos vão desapegando.
Parede: construção a dois,
Armaria: acasalada a dois,
Vida: extinta a dois.
É no colo do adeus
que mais te encontro,
é no teu sorriso brando
que me descaem as memórias:
um poema meu 
(escrito e esquecido),
que me leste risonha,
gritos ao vento invernoso
que nos abraçava o abraço,
o caminho que insistíamos ser nosso,
palmilhado pelos banhistas a toda a hora...
Agora somos sorrisos desmaiados,
incolores.
Alforriado,
abraço o vazio,
os meus ombros,
a volta do silêncio,
o prazer, 
o conforto da mudez.
E é nos passos surdos,
na semi-obscuridade
que reabro um título:
"Os belos e os malditos".

(Foto do autor
obtida com telemóvel:
Castelo de Torres Novas)

Etiquetas: ,

4 Comentários:

Blogger © Piedade Araújo Sol disse...

por vezes liberdade também magoa...

:)

quarta-feira, 04 setembro, 2013  
Blogger Rafeiro Perfumado disse...

A antítese de "há luz ao fundo do túnel"... ;)

domingo, 08 setembro, 2013  
Blogger Nilson Barcelli disse...

A dois, fazem-se muitas coisas boas e menos boas.
É a vida.
Magnífico poema, gostei.
Um abraço, caro amigo Jaime.

terça-feira, 10 setembro, 2013  
Blogger Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Uma noite que é noite, que é escura, outorgando, porém, um estranho amanhecer confortável no vazio...

Gostei do ritmo e do que lhe subjaz...

sexta-feira, 13 setembro, 2013  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Mi

Criar uma hiperligação

<< Página inicial

"[...] Apesar de tudo o que se passa à nossa volta, sou optimista até ao fim. Não digo como Kant que o Bem sairá vitorioso no outro mundo. O Bem é uma vitória que se alcança todos os dias. Até pode ser que o Mal seja mais fraco do que imaginamos. À nossa frente está uma prova indelével: se a vitória não estivesse sempre do lado do Bem, como é que hordas de massas humanas teriam enfrentado monstros e insectos, desastres naturais, medo e egoísmo, para crescerem e se multiplicarem? Não teriam sido capazes de formar nações, de se excederem em criatividade e invenção, de conquistar o espaço e de declarar os direitos humanos. A verdade é que o Mal é muito mais barulhento e tumultuoso, e que o homem se lembra mais da dor do que do prazer."

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue! Sopro Divino

eXTReMe Tracker