quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Poesia, canto primeiro

 Sentiste passar a poesia?
Sentiste os seus sintagmas,
os seus nomes e pronomes?
Os seus versos, as suas quadras?


Não a sentiste?

Não ouviste os seus gritos,
os seus rogos,
os seus passos glaciais,
os seus rumores?

É a poesia que move,
que não é eco
é caminho,
que trepa muros,
arrasa dogmas,
angustia
e afaga.
É a poesia que se escreve,
que se pinta,
que despe e veste.
É a poesia,
mercado-bruto
de tristeza
e saudade 
e jornada.
É a poesia 
justiça,
dor,
rebanho de ilusões.
É a poesia 
fúria ateia,
jardim de delícias
e sevícias.
É a poesia
religião,
atalho,
fim e princípio.

É a poesia
restolho,
seara,
vida e morte.

É a poesia,
                  apenas.
(fotos do autor
obtidas com telemóvel)

5 comentários:

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

A Poesia é "apenas".

Um gd abraço

Rafeiro Perfumado disse...

Há pouco senti passar o carro que anda a recolher o material reciclável, agora a poesia não...

vieira calado disse...

Olá, boa noite!
Apreciei muito este seu poema!
Na forma e no conteúdo.
Um abraço!

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

E que tenhas um FELIZ NATAL :)A com cheiro a caruma e a musgo :)

Abraço

vieira calado disse...

Olá, de novo?
Venho expressamente desejar-lhe um Bom Natal!
Um abraço.
Um poema de Natal em
http://vieiracalado-poesia.blogspot.com