segunda-feira, 28 de maio de 2012

pato

Comendo o pato,
comi-me a mim mesmo,
no meu palato
estavam duas bactérias ferradas,
esperavam restos de ave,
bem curtidas;
esse pato fora,
de fora, claro,
mas também fora o pato
que gizara furtivamente
as revoluções
que me tornaram grande,
com cognome e tudo;
portanto, esse pato fora
eu próprio,
enlevado no espírito
de uma revolta clássica;
há quanto tempo
haviam sido os dobres
a finados,
ou afinados?
Sei hoje
que as águas
já nada obliteram...
que os dias amanhecem
à sombra das palmeiras
que se dobram educadas
sobre um mar
azul-quase-turquesa;
sei, também,
que os patos que enfeitam
as paredes de um caçador,
são apenas objectos
que já nada assinalam,
pois a gula do pâté
já fugiu entre violetas!

(foto do autor
obtida com telemóvel:
Berlengas, Agosto/2011)

1 comentário:

vieira calado disse...

Bem... que me desculpe...
mas patos somos todos nós!
Um forte abraço