terça-feira, 13 de março de 2012

queda XXII

Quantos eus sou eu?
Olho-me,
olhos escorrendo,
deslizando,
o meu umbigo 
fixado no hoje.
Não busco muito,
o que sou serei eu;
o ontem mastigou
o meu olhar,
os meus olhos debruçaram-se
e o esquecimento voltou;
talvez,
de tanto focar-me,
se desfizesse o íngreme
gesto,
o riso demente, insano,
jogado alto
no delírio do tempo!
Ah! 
Mãos vazias,
berço luzente da madrugada,
ergam-se, fechem-se,
segurem bem alto o cabresto,
impeçam 
a fuga desalvorada,
o tomar do freio nos dentes!


(fonte da imagem:

1 comentário:

vieira calado disse...

Ah, pois!

Quando se toma o freio nos dentes!....

Saudações poéticas!