domingo, 21 de agosto de 2011

K

poema fechado

(...)
era um tropel poeirento, cigano
que marcava as curvas solenes
os rastos mais vincados, arcos
de vis medalhas ostensivas na
sua altivez de quem está rindo
do futuro, na ânsia de triunfos
e insígnias de vitória. Oh, céus
de trôpegas, até inesquecíveis
batalhas, em que os recontros
eram trilhados pelos passos e
pelos gritos. Hoje, não há um
só trecho, um só restolhar das
nuvens que testemunharam do
céu-aço que tudo cobria. Essa
era a verdade que corrompia o
sonho dos virtuosos. Porém, o
engano já não campeava, nem
era já lembrado, a paz recobria
tudo e os aldeões caminhavam
cantando, fazendo o pão justo
(...)
(fonte da imagem:
http://aviemet.divitu.com/,
Salvador Dalí: "Céu hiperxiológico")

Etiquetas:

1 Comentários:

Blogger Graça Pires disse...

Um poema fechado no seu próprio ritmo... Gostei muito.
Beijos.

quarta-feira, 24 agosto, 2011  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Mi

Criar uma hiperligação

<< Página inicial

"[...] Apesar de tudo o que se passa à nossa volta, sou optimista até ao fim. Não digo como Kant que o Bem sairá vitorioso no outro mundo. O Bem é uma vitória que se alcança todos os dias. Até pode ser que o Mal seja mais fraco do que imaginamos. À nossa frente está uma prova indelével: se a vitória não estivesse sempre do lado do Bem, como é que hordas de massas humanas teriam enfrentado monstros e insectos, desastres naturais, medo e egoísmo, para crescerem e se multiplicarem? Não teriam sido capazes de formar nações, de se excederem em criatividade e invenção, de conquistar o espaço e de declarar os direitos humanos. A verdade é que o Mal é muito mais barulhento e tumultuoso, e que o homem se lembra mais da dor do que do prazer."

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue! Sopro Divino

eXTReMe Tracker