terça-feira, 16 de agosto de 2011

cais

No cais,
os soluços da partida;
o navio era uma mancha
de sol pardo e de choro;
os que iam,
de braços férreos
moldados nos varandins,
já nem se algemavam a terra,
os olhos despojados;
os que iam ficando,
num adeus agreste,
cinzento também,
não viravam costas ao mar,
ao rio latejante...
















Caixões em branco feitos água,
uma espera segura de mortes,
presságio secreto 
que o vento transportou 
no regresso da manhã...

(fonte da imagem:
http://www.123rf.com/)

2 comentários:

Graça Pires disse...

Cais de chegada e partidas. Ausências e regressos acontecidos.
Um beijo.

Maria Clarinda disse...

Muito mas muito bonito!!!!Jhs