quarta-feira, 4 de maio de 2011

devassa

Quando os penhascos me assombram,
quando as teias vivas me amordaçam,
quando os pontos cegos me assolam,
quando já as memórias doem e estacam,



então (os simples):
o funâmbulo,
o aramista,
a fera,



impelem-me
pela faiscante
labareda
que um Deus oculta,
como Se guarda
dos olhos, dos ouvidos,
dos que se não insinuam
no despojo da busca.



(fonte da imagem:
http://www.101fengshuiremedies.com/)

Sem comentários: