quarta-feira, 20 de agosto de 2014

K

cá e lá...




Parei,                                                                       Flutuando,
melhor,                                                                    oscilando
deixei de escorregar;                                                num ciclo bombeado;
o silêncio, o cheiro a éter                                          um leve odor,
mesclado,                                                   uma mescla avermelhada,
o claro omnipresente,                                               um silêncio,
deslizavam-me                                                         ele próprio
pelo branco da vista.                                                em tons de grená;
A custo,                                                                   apenas aquele ritmo,
semicerrei os olhos,                                                 aquele batimento,
tentei que um bem-estar                                           bem marcado,
transcendesse                                                         que tanto a aconchegava.
o indefinido,                                                             Um dia,
luminoso,                                                                 impulsionada
que me invadia,                                                        sabe-se lá por quê,
conquistava até.                                                       Sentiu-se rodar
Tentei não tremer,                                         e a ver tudo ao contrário,
tentei uma imobilidade                                   e a ver tudo tão estranho.
segura,                                                                     Mas reconheceu
tentei que o Universo                                                facilmente,
parasse, também,                                                     o local onde vivia,
e que me deixasse vivo,                                           os batimentos
queria o impossível…                                               marcando o tempo
acabei por desejar                                                   que parecia
um botão                                                                 mais e mais desigual.
que me desligasse                                                   Continuava a tocar,
a consciência,                                                         a reconhecer
que me fizesse                                                        cada ponto            
resvalar pelo sono dentro,                                       que a rodeava,
na fuga                                                                    mas tudo
obsessiva da dor.                                                    lhe parecia diferente.
Não dormi,                                                             Tudo o que a envolvia
mas lentamente,                                                       lhe parecia menor,
gradualmente,                                                          menos infinito, talvez.
as forças iam-me faltando,                                       Continua a ver-se,
o enfermeiro marcava-me                                        claro,
os dias,                                                                   mas as sombras
quase reconheci o médico                                        projectavam-se
sussurrando,                                                            de modo distinto.
abanando a cabeça.                                                 Afinal,
Já nem sabia                                                            o que mudara?
o que mais desejava:                                                Ela ou
se o contínuo resvalar                                              o que a cercava?
para o desconhecido não-ser,                                  Ou ambos?
se a escalada de regresso.                                       Uma sensação
Vivia agora                                                             de mistério e desconforto
entre os sonhos                                                       percorriam-na.
e as tomas                                                              Algo estava
de medicamentos:                                                    para acontecer.
já nem distinguia                                                       Os batimentos
bem uns dos outros.                                                 eram outros,
Sonhando ou não,                                                    mais fortes
cada vez resvalava mais,                                          aproximando-se,
as dores já tinham                                                    como se algo
ido à minha frente.                                                    estivesse também aí,
Parecia                                                                    vasto, amplo
que começava                                                         como ela
a resvalar cada vez                                                  jamais conhecera.
mais rapidamente,                                                    Já eram batidas,
que o sonho morrera.                                               empurrões,
Sentia-me                                                                sentia-se
a passar                                                                   a percorrer
por um túnel,                                                           um buraco
um clarão doce,                                                       asperamente iluminado
uma luz diferente.                                                     por uma luz diferente.
Senti-me como nunca antes,                                     Sentiu que lhe tocavam,
empurrado;                                                              que a puxavam;
quem fora,                                                               já nem era a mesma,
já nem sei agora                                                       ela nem sabia agora         
o que fora,                                                               o que fora,
quem fora;                                                               quem fora;
apenas soube                                                          apenas soube
que                                                                         que
                                         FEZ-SE LUZ!


                                                                                                 


                                                           

Etiquetas: ,

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Mi

Criar uma hiperligação

<< Página inicial

"[...] Apesar de tudo o que se passa à nossa volta, sou optimista até ao fim. Não digo como Kant que o Bem sairá vitorioso no outro mundo. O Bem é uma vitória que se alcança todos os dias. Até pode ser que o Mal seja mais fraco do que imaginamos. À nossa frente está uma prova indelével: se a vitória não estivesse sempre do lado do Bem, como é que hordas de massas humanas teriam enfrentado monstros e insectos, desastres naturais, medo e egoísmo, para crescerem e se multiplicarem? Não teriam sido capazes de formar nações, de se excederem em criatividade e invenção, de conquistar o espaço e de declarar os direitos humanos. A verdade é que o Mal é muito mais barulhento e tumultuoso, e que o homem se lembra mais da dor do que do prazer."

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue! Sopro Divino

eXTReMe Tracker
Article of the Day
Article of the Day provided by TheFreeDictionary

This Day in History
This Day in History provided by TheFreeDictionary

Today's Birthday
Today's Birthday provided by TheFreeDictionary

Quote of the Day
Quote of the Day provided by The Free Library

Hangman
Hangman provided by TheFreeDictionary