sábado, 2 de agosto de 2014

a espera da palavra

Levanta a cabeça,
nem seques as sandálias,
o caminho apressou-se a ser teu.
Olha os arbustos,
deixa que as borboletas te sejam favoráveis,
coloca as tuas palmas prontas para dar 
e que os ventos te sejam desiguais,
como desigual foi a espera da palavra
que esqueceste.


3 comentários:

Daniel C.da Silva (Lobinho) disse...

Parabéns!
Isto está SOBERBO!

luisa disse...

Desigual é a palavra e a vida que percorremos.

Vieira Calado disse...

Gostei sobretudo pelo inesperado de diversos versos!
Boas férias para si!