quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

reflexo

esqueci a dor,
o caminho do meu próprio perdão;
cometi o erro,
a vulgar falta,
virei-me,
escondi-me nas mãos,
um choro prometido
desbravou-me as faces,
entre golfadas de lembranças;
(...)
há muito que não vejo o meu reflexo,
temo a devolução da memória...

(fonte da imagem:

2 comentários:

Rafeiro Perfumado disse...

Não vês o reflexo há muito tempo?!? Não levaste nenhuma dentada no pescoço, pois não?

Lídia Borges disse...

(...)temo a devolução da memória...

A memória fonte e nascente, fruto e raiz...

L.B.