quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Quantos eus sou eu?
De quantos sonhos
tenho de me despir
para me reconhecer?
Quantas vezes
tenho de fixar as estrelas
para cravar a memória de mim mesmo?
Sou um louco
que passeia no arame,
um trapezista que voa
entre esgares hirtos,
com as mãos imóveis,
sobrepostas. 
Dispo o casaco que me aperta,
o eu que me vigia no espelho
é aquele que rodopia no trapézio
que sorri à ante-morte,
cuja face não mostra receio,
ou uma vaga, inóspita dor... 

(fonte da imagem:

Sem comentários: