sábado, 24 de julho de 2010

queda VII

abraço os joelhos,
sedimento-me,
ferro o presente,
alucino fantasmas de espera,
espreito,
espreito,
espreito,

(...)

   longínquos os cheiros,
os sons crestados,   ressequidos
      da minha vila, lugar,
memória infinda, gesto puro, só,
do meu querido Alentejo!

(fonte da imagem:
http://blackman.bloguepessoal.com/)

3 comentários:

Graça Pires disse...

Recordar o Alentejo é saber que há lugares onde a memória fica para sempre colada à cal das casas...
Um grande beijo.

Jaime A. disse...

Graça,
ficou-me colada à memória esta sua imagem tão ""gráfica"", tão linda.
Bem-haja

Paula Raposo disse...

Belo, belo!! Alentejo que eu adoro!
Beijos.