terça-feira, 4 de agosto de 2009

cana(l)










Sondei um velho canavial;
nada me disse,
a não ser o lento marulhar das águas,
o jambé morno do vento (...)

(imagem retirada da net)

5 comentários:

simplesmenteeu disse...

O mundo adormece e acorda entre o murmúrio das águas e o sussuro do vento.

Gostei.

Um beijo

Vieira Calado disse...

Sim senhor!

Gostei do poeminha.

Abraço

mixtu disse...

canavial
lagoa
patos
ponte

falou-me

abrazo serrano

Maria Clarinda disse...

E se ele te falou no lento marulhar da águas e no jambé morno do vento...disse-te tabta coisa linda!
Jhs

Paula Raposo disse...

Tão bonito esse jambé morno...beijos.