sexta-feira, 31 de julho de 2009

vale

Desci ao vale das mentiras,
floresceu o caule
das certezas.
Encarei o bojo
da cegueira,
entre duas escarpas;
revirei as pedras
da humildade.
Sob o manto da espera,
troaram vagas de angústia,
brandindo a espuma de ontem.
O vale, quase em sorriso,
mergulhou no rio da justeza;
emergiu em gargalhadas
de solidão,
em paredes a pique,
quase polidas d’esperança…

(imagem retirada da net)

1 comentário:

Paula Raposo disse...

A vida é isso mesmo. Mas a 'quase' esperança vale tudo! Gostei. Beijos.