sábado, 14 de abril de 2007

Espaço ponto Tempo

Deste-me um tempo renovado em cada dia;

renova-se o sabor de si mesmo

quando se lança com fragor,

ruído, alfa e ómega,

sobre o espaço

que se vai encurvando,

os limites cada vez menores,

quási lineares.

O tempo

esgrime com elegância,

a sua curvatura,

avançando sempre, sempre,

apenas se renovando na minha dádiva.

10 comentários:

helena disse...

E é em cada dávida que ele se renova.
Em cada respirar.
Em cada sentir.
Mesmo em cada louca correria.
Um beijo.
p.s. vai ao ORION... tens lá uma coisa para ti

© Piedade Araújo Sol disse...

Olá

Gostei e tenta ler de baixo para cima.

Naõ resisto...

Joaquim Sobral Gil disse...

Helena,
muito obrigado pelo apoio que me tens vindo a dar.

Joaquim Sobral Gil disse...

Piedade:

A tua iodeia é muito engraçada. A escrita fica com qualquer coisa de "surreal".

Luís Galego disse...

belo poema que encontrei ao acaso.

ANA LUCIA disse...

PASSEI EM SEU BLOG E DEIXEI MEU CARINHO...
MIL BEIJINHOS...
ANA

Joaquim Sobral Gil disse...

Obrigado, Ana Lúcia.
Passe sempre que desejar, é sempre bem-vinda.

ANA LUCIA disse...

COLOQUEI VC NA MINHA LISTA DE AMIGOS...BEIJOS

ANA LUCIA disse...

PASSEI SO PARA DESEJAR-LE UM FINAL DE SEMANA CHEIO DE ALEGRIAS...
BEIJOS NO CORAÇÃO

Vieira Calado disse...

Dei uma volta pelo blog.

Gostei do que vi e li.

Um abraço.