domingo, 4 de fevereiro de 2007

Contentamento

Gostava de me espreguiçar,
assim preguiçosamente;
(num acordar meio nublado...)
e que as minhas mãos tocassem o céu,
os meus braços, o mar;
e sentisse o alegre aroma das flores,
esvair-se pelas minhas pernas;
e que a minha cabeça repousasse
sobre almofadas de nuvens...
e assim ficasse,
todo êxtase,
todo puro,
todo esquecido de mim...

1 comentário:

helena disse...

Escreveste magistralmente um desejo que nos assalta a todos nós.
Como se regressássemos à pureza da nossa infância, em que tudo é simples e possível.
Um beijo