quinta-feira, 2 de novembro de 2006

Este amigo...

O amigo cerra-se. Longe de si, nem portas abertas.
O silêncio espera-o, atrás do tempo que atrasa. Apenas a surdez do desespero em não saber.
O casulo é tecido com rendilhados de malvadez.
Mãos esguichando um sangue pulsante, quase podre...
A clareza envolve a escuridão deste amigo...

Tudo o que eu soltaria para falar deste amigo, está dito!...

(01 Novembro, 2006 - Dia de Todos os Santos)

1 comentário:

helena disse...

Quim,

Ainda bem que já é possível comentar-te

O dia em que escreveste este texto é extremamente simbólico para a temática que abordaste.

Presumo que o "encerramento" desse amigo seja apenas metafórico. Pois esse amigo podes ser tu, eu ou qualquer outro ser que, por momentos, se fecha, mas que não poderá viver eternamente, na Escuridão.

Um dia virá em que rompe o "casulo" e redescobrirá a Luz, a Vida e os Amigos que esperam ansiosamente por abraçá-lo.

Um beijo desta tua amiga
Helena