quarta-feira, 6 de dezembro de 2006

No mar me embrenho.
Um corpo só,
rompe o cristalino
em que me escavo.
Estilhaços ignorados,
apenas dois olhos,
duas vistas,
que escorrem
e se escapam desse sal.
Crispo-me,
nada acho,
sou,
apenas.

Sem comentários: