sexta-feira, 5 de junho de 2009

a vigília


A fronte pétrea perscrutava
um horizonte calvo,
desolado.
Manteve o silêncio,
entre pétalas de mar,
fogos de poeiras
entre troantes estampidos.
Soltavam-se baforadas
cíclicas, in tempo maggiore.
Jogavam-se arcos de bandeiras,
corriam crianças à solta,
em passada quase lunar
em fugazes sustenidos.
Inclinou-se,
a busca,
já quase uma intercessão.
O cieiro tomava conta
das rugas gastas,
em cada ponto.


Sobranceiras ao quadro,
duas semi colunatas de Bernini
fechavam o círculo,
em faustosa glória.


(imagem retirada da net)



1 comentário:

Vieira Calado disse...

As colunas em pedras têm sempre qualquer coisa de mítico,

quase sagrado.

Um abraço