segunda-feira, 7 de agosto de 2006

a porta da m...

1 comentário:

helena disse...

Porque não nomear o que é infalível, desde que nos soltaram das águas primordiais?
Nomear o que quer que seja, é conferir-lhe existência.
Assim como aceitamos a Vida, devemos aceitar a Morte.
É uma questão de passar para um outro estádio.
Um beijinho