quinta-feira, 8 de junho de 2006

K

Tudo pela Nação...

Talvez haja alguém que acredite.
Talvez…
Estar com grupos de rapazes e raparigas e “passar-lhes” algo a que eufemisticamente chamam “competências”.
Estarão eles e elas interessados em conhecer melhor a sua Língua, o passado que nos dita o futuro, outras línguas/culturas, a Terra e os seres que nela habitam, as propriedades dos materiais com que lidam diariamente, em trabalhar com esses materiais…?
Que farão eles e elas com essa “bagagem”? Continuarão os seus estudos até estarem habilitados a trabalhar para e com o país? Quererão dar por terminados os seus estudos e aprender um ofício?
Um país precisa de nós. Todos!! “ Não pergunteis o que o vosso País pode fazer por vós! Perguntai, sim, o que podeis fazer pelo vosso País!”. Sábias palavras...
Não precisamos de “patriotinheiros”ou de “politicóides” a pensarem somente em si e a arrogarem-se ao direito de falarem e agirem em nome do “Povo”…
Todos somos úteis? Nem todos seremos dignos de o ser.
Há uma Pátria, um Povo, uma História que nos interpelam diariamente. Qual a nossa resposta? Servir? Não quero saber? Mais comummente “tou-me a…”?
Afinal quem somos? Os eternos expectantes de brumosas novas que nos resolvam uma “crise”? Uma “crise” que já se esgotou no conceito, no significado?
A revolta contra o “outro”a quem tudo é assacado?
Talvez seja tempo de crescer, como os rapazes e raparigas com quem lidamos diariamente.
Talvez…

3 Comentários:

Blogger pedro_nunes_no_mundo disse...

Será possível?
Passar-lhes alguma coisa, quero eu dizer.

Num mundo sem grande história em que tudo sempre passa, talvez a nossa função seja fazê-los parar.
Só um momento.
Fazê-los esquecer que tudo passa,
sentando-os na nossa pedra, à beira do caminho, e ensinar-lhes a parar e a ouvir, a ver e a sentir o mundo, sentados, sem pressas nem obrigação, fora dele por instantes.

Aí começa a vida. Aí começa a utopia.

(A mim, o sono dá-me para estas coisas...)

segunda-feira, 12 junho, 2006  
Blogger Quid Iuris? disse...

Mas que conversa de velhos é esta que por aqui vai?
Toda a gente sabe que a anção é a selcção e tudo o que sair fora do relvado e dos 90 minutos ou são comentários ao jogo ou são prognósticos do jogo.
São so adultos que ensinam assim, e as crianças aprendem assim. Elas podem não ser sempre boas alunas, mas nestas coisas, aprendem bem! Copiam o que os grandes fazem, copiam o que vêem fazer na tv, o que ouvem dizer à mesa de jantar, enfim...copiam tudo o que for modelo de vida significativo para eles. E a verdade é que os modelos de vida deles são os portugueses. Só por aí os pobres coitados já têm o futuro estragado. Porque os portugueses, não me levem a mal, mas o antipatriotismo às vezes lá me vem "ó de cima", e digo coisas como estas, mas os portugueses, são pessimistas, depressivos e preguiçosos. Até os momentos em que há alguma alegria, são sempre ensombrados por auspícios de "tanto trabalho, nao sei pra quê se eles depois vão acabar o nono ano e trabalhar nas obras". E a verdade é que isso é verdade. Passoa redun~^ancia, mas eles vão mesmo, na sua esmagadora maioria, trabalhar nas obras, se tiverem sorte! Porque nas obras ganha-se muito bem.
Mas quando saírem do trabalho vão para casa fazer o quê? Ler um livro, ver as notícias ou ver as gajas a passar na esplanada e ver a novela na TVI?
Mas e quando receberem o salário ao fim do mês, vão saber administrá-lo ou vão gastar tudo no bar da esquina e numas saídas com umas miúdas ou vão saber investir numa casa, num carro, em coisas úteis que elevam a qualidade de vida?
Quando estiverem de férias, vão à praia exibir (ou apanhar) o bronze e tentar engatar umas bifas ou vão viajar, ver teatro, ver cinema, ver museus, ver o mundo?
Só assim vamos ter miudos mais Portugueses e menos portugueses.
Mas os professores têm que dar o primeiro passo.
Primeira lição: Sorria!
SEgunda lição: Continue sorrindo!
Terceira lição: Repetir primeira e segunda lições.

terça-feira, 20 junho, 2006  
Blogger pedro_nunes_no_mundo disse...

Essa está boa.

quarta-feira, 21 junho, 2006  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Mi

Criar uma hiperligação

<< Página inicial

"[...] Apesar de tudo o que se passa à nossa volta, sou optimista até ao fim. Não digo como Kant que o Bem sairá vitorioso no outro mundo. O Bem é uma vitória que se alcança todos os dias. Até pode ser que o Mal seja mais fraco do que imaginamos. À nossa frente está uma prova indelével: se a vitória não estivesse sempre do lado do Bem, como é que hordas de massas humanas teriam enfrentado monstros e insectos, desastres naturais, medo e egoísmo, para crescerem e se multiplicarem? Não teriam sido capazes de formar nações, de se excederem em criatividade e invenção, de conquistar o espaço e de declarar os direitos humanos. A verdade é que o Mal é muito mais barulhento e tumultuoso, e que o homem se lembra mais da dor do que do prazer."

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue! Sopro Divino

eXTReMe Tracker
Article of the Day
Article of the Day provided by TheFreeDictionary

This Day in History
This Day in History provided by TheFreeDictionary

Today's Birthday
Today's Birthday provided by TheFreeDictionary

Quote of the Day
Quote of the Day provided by The Free Library

Hangman
Hangman provided by TheFreeDictionary